Seguidores

sábado, 19 de maio de 2012

Nancy e as flores


A vovó de Nancy tinha uma loja de flores. Atrás de sua casa havia um viveiro, onde se podia encontrar qualquer variedade de planta que você possa imaginar.E atrás do viveiro havia um jardim. E o jardim transbordava de flores de verão. Haviam flores rosadas, flores azuis, alaranjadas, douradas e flores amarelas. E atrás, num pequeno cercado, estavam plantas cheias de rosas vermelhas, brancas, rosadas e amarelas. Quando Nancy ia visitar a vovó, sempre ajudava a molhar as flores, e também ajudava a capinar, tirando o mato. Algumas vezes, a vovó lhe dava uma tesoura, e deixava que ela cortasse algumas flores para fazer um buquê. Ela precisava de tesoura, especialmente para apanhar rosas. Sempre que podava as flores, Nancy pensava como devia ter sido lindo no Jardim do Éden, onde não havia espinhos nas rosas, não havia erva daninha e nem mato para arrancar. Como devia ter sido lindo antes que o pecado entrasse em nosso mundo para estragar tantas coisas bonitas! Mas os espinhos eram superados pela deliciosa fragrância das rosas, e por isto ela era muito agradecida.
Uma manhã a mamãe perguntou: “Nancy, você gostaria de ir passar o dia com a vovó?”
“Ó, mãe, como eu gostaria de ir. Eu gosto muito de ir à casa da vovó!” E Nancy batia palmas de felicidade. “Vai ser muito divertido na casa da vovó”. Quando a mamãe e Nancy chegaram na entrada da casa, a vovó já estava esperando por elas. Tinha um grande sorriso em seu rosto, e deu um beijo em Nancy. “Você é exatamente a ajudante que eu precisava hoje. Vou estar muito ocupada arrumando flores para um casamento. Não tenho ninguém para capinar e molhar minhas flores. Você gostaria de fazer isto para mim?”
“Lógico que sim”, disse Nancy, se sentindo muito importante e correndo com a vovó para o jardim.
A vovó mostrou quais as flores que precisavam de atenção, e depois voltou para a loja, para trabalhar nas flores para o casamento.
Enquanto Nancy trabalhava, lembrava que sua avó tinha dito, muitas vezes, que ela deveria lembrar de nunca arrancar uma flor, mas sempre cortar com uma tesoura. A vovó também sempre avisava para não entrar no cercado onde estavam plantadas as rosas.
“Rosas têm espinhos muito perigosos”, sua vovó tinha dito, “eles podem machucar uma menina pequena. Eu conheço uma menininha a quem não quero ver toda arranhada pelos espinhos”.
Nancy lembrava destas regras enquanto arrancava o mato e molhava as flores. “Acho que estas regras foram feitas quando eu era ainda muito pequena para saber como me cuidar” pensou ela, “agora estou bem crescida, tenho certeza”.
Depois que terminou de capinar o mato, olhou em volta. As flores estavam muito bonitas. Mas Nancy gostava muito mais das rosas, e decidiu esquecer a regra antiga e chegou bem perto do cercado para ver as rosas.
“Ah, como eu gostaria de ter uma rosa” , disse alto. E viu uma rosa por cima da cerca.
Uma vozinha dentro dela parecia dizer: “Por que você não pega essa linda rosa que está em cima da cerca? Você pode alcançar muito fácil, e a vovó nunca vai saber”.
Mas, no mesmo instante, outra voz, a voz da consciência, parecia dizer: “Não! Lembre-se da ordem da vovó. Ela não quer que você arranque as flores. Você poderá se machucar com os espinhos se tentar pegar aquela rosa”.
Mas Nancy desprezou a voz da consciência e subiu na cerca. Esticou a mão e segurou o talo da rosa, virou de um lado para o outro, torceu, mas não conseguia arrancar. Usou então as duas mãos, e de repente perdeu o equilíbrio e caiu diretamente em cima da roseira.
“Ai! Ai! Ai!” Nancy começou a gritar de dor. Os espinhos que estavam nos ramos da roseira iam arranhando seu rosto conforme ela caia. Também suas pernas e seus braços estavam arranhados, e, além disso, seu vestido estava rasgado.
Cada vez que Nancy se mexia, tentando levantar-se, os espinhos a arranhavam ainda mais. Então chamou pela vovó com toda a força de seus pulmões. Esqueceu que tinha desobedecido, esqueceu que a vovó poderia ficar muito zangada com ela, e somente sabia que queria se ver livre daqueles espinhos horríveis.
A vovó ouviu seus gritos e veio correndo. Com muito cuidado tirou Nancy do meio da roseira, e carinhosamente a carregou para dentro de casa.
Gentilmente lavou seus ferimentos e arranhões com uma loção desinfetante. Logo Nancy se sentiu bem melhor.
“Estou muito triste porque desobedeci à senhora e quebrei a roseira”, disse arrependida.
A vovó a abraçou com todo o cuidado: “Agora não devemos ficar preocupadas com roseiras quebradas, mas sim dar graças que os ferimentos”.
De minha netinha não foram mais graves”, disse a vovó carinhosamente. “Você sabe, as tentações de Satanás são exatamente como aquelas lindas rosas. Ele as torna tão atrativas que não vemos os espinhos até que seja tarde demais. Mas então podemos chamar por Jesus. Ele sempre vai nos ouvir. Ele vai nos tirar do meio dos espinhos e nos perdoar com todo o amor, assim como a vovó lhe perdoou, querida Nancy ““.
Então, Nancy sorriu. Como era bom ser perdoada


4 comentários:

Tio Fausto - Apascentar os Pequeninos disse...

Irmã Edenícia... Graça e Paz de Cristo! Realmente a mensagem da Cruz deve ser lembrada em todo tempo. Esse amor move o mundo e mudou a história! Como gratidão devemos eternizar esse amor incondicional de Deus!

Pr. Ivan Pereira disse...

Paz professora Edenicia, muito boa essa reflexão, o amor de Cristo é incondicional por todos nos. abraço e boa semana.

Esther disse...

Olá querida
Respondendo co convite vim fazer uma visita e me apaixonei, que benção seu blog!

Beijus

Edenicia disse...

Esther, seja bem vinda e volte sempre. Também amei o seu blog e tenho certeza que logo estará recheado de maravilhosas postagens.
Bjs